Rodes, cidade medieval, Rodes, Grécia

Rodes é uma cidade localizada no extremo norte da maior ilha do Dodecaneso com o mesmo nome (Rodes). Ela tem uma cidade medieval muito importante, com muitas ruínas em um local onde estavam os portos antigos e onde hoje se encontram os portos modernos. O Colosso de Rodes, uma das sete maravilhas do mundo, era uma estátua gigantesca, tradicionalmente localizada na entrada do porto. Conta com um lugar bonito que é o coração turístico da cidade: a Praça Hipócrates; onde tem vários restaurantes modernos e bem resolvido com as melhores varandas-terraço; no centro, há uma fonte turca. Ela tem belas cerâmicas e uma coluna encimada com um bronze coruja. Outro lugar para conhecer é a rua Sócrates, rua estreita, que vai desde a praça até a Mesquita Suleymaniye, uma rua totalmente alinhada com lojas. Vizinho à praça Hipócrates encontramos um edifício de pedra interessante com escadaria exterior conhecido como Castellania ou Lodge dos comerciantes. O edifício continua com uma série de arcadas pitorescas na rua Aristóteles que une a praça Hipócrates com a chamada da Arquidiocese. Perto da porta Akandia, encontramos as ruínas de Santa Maria du Bourg (século XIV). Há três absides que permanecem a poucos passos das muralhas sobre o pátio da antiga nave. As muralhas da cidade medieval de Rodes esticar mais de cinco quilômetros de comprimento. Há uma dúzia de portas, a mais importante é a Porta d’Amboise, há duas torres redondas; particularmente impressionantes, mas ele só abre em uma chicane e se deve ainda atravessar a Porta São Antonio para acessar dentro da cidade. A outra porta notável e a Porta do Mar ou do Porto, que era a porta principal. Duas belas torres gêmeas com ameias montadas em conjunto são atraentes. Acima do arco, tem a representação da Virgem e Criança com São Pedro e São João Batista. No lugar da Arquidiocese há uma outra fonte com linhas muito modernas com três cavalos marinhos metálicos comemorando o ambiente marinho das proximidades. O porto de Akandia é um dos três portos de Rodes. O porto do Comércio é o mais antigo; lí vemos barcos de pesca. O Porto Mandraki, é o mais famoso com o veado e a sua femeia, onde arrivam barcos de recreio e de cruzeiro todos os dias. Assim, o terceiro, fora das fortificações, mais próxima ao mar aberto, hospeda os gigantes  cruzeiros e ferry de Pireu. O porto de Mandraki é protegido por um paredão de 300 metros de comprimento, e ainda estão de pé três moinhos de vento antigos; após o dique temos o Forte São Nicolas que defendeu a cidade de Rodes dos primeiros ataques marítimos. No interior do forte, há um farol que guia os navios à noite.

Dicas

Se você fizer a visita de um dia, a cidade medieval irá levá-lo todo o dia, mas se você ficar alguns dias na ilha, você será capaz de visitá-lo em diferentes momentos do dia. Para visitar a manhã e à noite são os momentos mais agradáveis porque o sol é muito forte e o calor pode ser insuportável ao meio-dia.
Você vai encontrar muitas lojas com artesanato típico, mas geralmente você sempre pode discutir o preço e obter o que deseja por um preço razoável.
Se você quiser desfrutar um pouco do mar, não muito longe do porto, você vai encontrar praias para passar algumas horas agradáveis. As outras praias estão mais longe, mas para a visita de um dia, vale a pena para se refrescar um pouco neste tão bom mar.
A cidade conta com muitos cafés, restaurantes, bares onde você pode relaxar um pouco e desfrutar de um bom café ou um bom vinho local.
Use sapatos confortáveis e roupas leves e beber muita água.

Biblioteca Schoelcher, Fort-de-France, Martinica

A Biblioteca Schoelcher em Fort-de-France, na Martinica, é uma biblioteca pública. Ele está localizado na esquina da rua da Liberté e rua Victor Severe, de frente para o canto nordeste da Praça da Savane. Victor Schœlcher, deputado de Guadalupe e Martinica (1848-1850), tinha uma coleção de 10.000 livros e 250 partituras musicais, mas como ele não tinha filhos, deixou sua coleção para o Conselho Geral da Martinica, na condição de criar uma biblioteca pública. O edifício foi construído por Pierre Henri Picq. O edifício foi feito no jardim das Tulherias, em Paris, e foi apresentado pela primeira vez lì (1886-1887), antes de ser desmontado e enviado por barco em peças a Fort-de-France para ser reconstruído. Infelizmente, a maioria dos livros originais desapareceram com um grande incêndio em 1890. A biblioteca finalmente abriu suas portas em 1893. O edifício construído sobre uma planta quadrada tem uma grande cúpula que dá a iluminação para a sala de leitura. Há uma mistura de art nouveau, arte clássica, egípcia e ocidental e algumas influências bizantinas. Encontramos nomes de grandes escritores franceses decorar frisos. Há uma fachada exterior de mosaico colorido.

Dicas

Se você visitar Fort-de-France, vale a pena ver a biblioteca e seu edifício.

Se você tiver sorte, você vai encontrar exposições no local.

Dia dos Mortos, México

Se há um feriado típico na cultura mexicana, é o Dia dos Mortos que se estende ao sul dos Estados Unidos com a comunidade mexicana. É uma festa que acontece de 31 de outubro a 2 de novembro, com tradições; conhecido especialmente pela realização de altares particulares dedicados aos mortos com oferendas (flores, comida, velas, fotos, itens que pertenciam aos mortos, etc.). De 31 de outubro a 1º de novembro o dia é dedicado às crianças mortas (angelitos = anjinhos), com um lanche doce e no dia seguinte, Dia de Todos os Santos, é dedicado aos ‘angelitos’ com um café da manhã e depois o resto do dia é dedicado aos adultos falecidos e se acrescentam outras oferendas nos altares. As pessoas visitam o cemitério em 2 de novembro. Os altares são montados em residências, locais de trabalho, hotéis, etc. Também há concursos onde eles escolhem o altar mais bonito, o público pode entrar, votar e apreciar a comida tradicional que eles prepararam para compartilhar e, dependendo da região, você também pode encontrar povos nativos com sua própria tradição. O altar possui vários níveis que representam os diferentes momentos percorridos pela alma do morto, geralmente a foto do falecido ocupa o lugar superior do altar. Nas decorações, encontramos pequenos crânios feitos de açúcar, chocolate ou plástico com o nome ou as iniciais do falecido. Toda essa decoração e oferendas servem para mostrar ao falecido que ele é amado e que não foi esquecido. Geralmente, há também uma cruz no altar e guirlandas feitas com papel colorido ou plástico, com cortes que mostram caveiras, esqueletos ou simplesmente figuras geométricas. Entre os alimentos, a não perder, está o pão do morto que é feito e consumido exatamente nesta celebração, como doces ou decorações comestíveis muito doces.


Dicas

Se você visitar o México nesta época do ano, aproveite essa experiência, não se arrependerá. Os hotéis fazem suas decorações, eventos e dependendo do hotel (geralmente grandes redes), tem festas onde você pode se disfarçar.

Se você tem a oportunidade de ver uma verdadeira festa na cidade, não hesite, vale a pena. Os mexicanos são muito amigáveis e o convidam a apreciar suas especialidades do Dia dos Mortos, e terão o prazer de acompanhá-lo neste evento, contando um pouco da história dessa tradição.

Se você preferir ficar no hotel, as várias estações de TV exibem os filmes de terror mais conhecidos.